• Carlos Henrique Rutz

O DIA EM QUE ME CONVENCI DE QUE O BATMAN TEM UM BORDÃO


Como toda família que se preze, a dos batmaníacos também tem seu quinhão de negacionistas. Não que sejam daquele tipo de gente que acredita que pode sair música boa de um disco dos Los Hermanos ou do Coldplay, longe disso.

Mas é gente muito purista, que renega Adam West, ignora as pantufas do Sr. Frio e finge que Nolan nunca errou na vida.

Os mesmos que vão lançar hate nesta humilde coluna.


Pra desespero dessa galera, assim como Super-Homem fazia a meninada saltar na grama gritando "Pro alto, e avante!", Zan e Jayna embalavam nosso cereal matinal gritando "Supergêmeos, ativar!", e Ronald Golias invadia nossos lares com "Ô Cridê, fala pra mãe!", o Homem-Morcego, a.k.a. Guardião de Gotham, a.k.a. Cruzado Encapuzado, a.k.a. Maior Detetive do Mundo (arrepiou aí também?) também tem um bordão.


Mas, antes de chegarmos no estribilho do tutor de Dick Grayson, cabe uma explicação:

Como o Batman fala e por que ele fala assim?